Playlist Dona Moça #01 – Aurélia, o Enigma

Oi pessoal, Jacque falando de novo \o_

Hoje eu vim aqui para divulgar a mais nova ferramenta de divulgação da Adorbs: nosso 8tracks! #TodasComemoram

Nesse canal postaremos playlists com músicas que acreditamos explicar e se aprofundar um pouco mais nos personagens. Por exemplo, a playlist da Aurélia trás não apenas músicas cujas letras refletem um pouco de sua personalidade, mas também de artistas que com certeza devem estar no pendrive que ela pluga no rádio todos os dias no caminho para o trabalho.

Então vamos ao que interessa. Eis a playlist:

http://8tracks.com/adorbsproducoes/aurelia-camargo-o-enigma

LISTA DAS MÚSICAS

1) Back To Black – Amy Winehouse

2) Vigília – Kléber Albuquerque

3) Banheira – Nathalia Mello

4) Pennies From Heaven – Billie Holiday

5) Blues da Piedade – Cazuza

6) Terezinha – Chico Buarque

7) Coming Back As a Man – Caro Emmerald

8) O Mundo é um Moinho – Cartola

9) Rumour Has It – Adele

10) Fera Ferida – Maria Bethânia

11) No, Non Tremere, O Perfido! – Maria Callas e Elenco (ópera “Norma”)

12) Nous Vivrons a Paris – A. Netrebko e R. Villazon (ópera “Manon”)

Nossas “Senhoras” – Parte 4: Do Papel ao Celulóide

Oi pessoal, aqui é a Jacque de novo _o/

Desculpem a demora para atualizar os posts do nosso flashback, mas motivos de força maior (entendam-se a pré-produção de Dona Moça e uma mão quebrada e engessada), me impediram de escrever por um tempo (quer dizer, ainda estou digitando apenas com a mão esquerda, mas divago). Enfim, vamos ao que interessa.

Nos posts anteriores relembramos que Senhora foi adaptado várias vezes pela TV Tupi e TV Paulista em forma de teleteatros e novelas, além da versão famosíssima da Globo produzida em 1975, com Norma Blum. Hoje vamos mudar um pouco o foco das telinhas para a telona.

A primeira adaptação cinematográfica conhecida da obra de José de Alencar data de 1955. Produzida por Antony Assunção e roteirizado por ninguém menos que o lendário Walter Dust, restam pouquíssimos registros da obra. A maior parte das informações se perdeu com o tempo – tudo indica que resta apenas uma cópia na Cinemateca Brasileira, em São Paulo – mas conseguimos algumas fotos através do site da BBC.

Maria Fernanda e Anselmo Duarte encarnam Aurélia e Fernando.  Crédito: BBC

Maria Fernanda e Anselmo Duarte encarnam Aurélia e Fernando.
Crédito: BBC

Segundo a BBC e a Cinemateca Brasileira, os protagonistas eram Maria Fernanda e Anselmo Duarte. Curiosidade literária: a atriz, nascida em 1928, é filha de ninguém menos que Cecília Meireles!

A segunda versão cinematográfica foi lançada em 1976. Um fato interessante é que ela foi produzido antes da novela da Rede Globo, mas só veio a público depois por problemas de finalização e distribuição.

Cartaz original do filme

Cartaz original do filme “Senhora”, de 1976.

A protagonista dessa versão é Elaine Cristina, que já tinha participado de “O Preço de Um Homem”, a versão moderna (para os anos 70) produzida pela TV Tupi. Fernando Seixas foi interpretado por Paulo Figueiredo e Etty Fraser ficou encarregada de fazer a Dona Firmina. O filme está disponível na íntegra no Youtube:

Curiosamente, essa é uma versão do tipo “ame ou deixe-a”: embora muitas pessoas defendam esse filme, há aquelas que preferem fingir que ele não existe. Descontando alguns fatores anacrônicos (personagens de 1876 utilizando ternos que só estariam na moda cem anos depois – hello?), chama a atenção as mudanças feitas na história, começando pela narração soturna de Aurélia (como ela sofre nesse filme, gente!), a transformação do pai de Adelaide em vilão e a morte de um personagem que não morre no livro – provocando uma transformação total em Aurélia e no clima da narrativa. Enfim, é um filme que só assistindo para decidir se você é da turma dos adoradores ou daqueles que acham que titio José de Alencar deve ter se revirado no túmulo.

Por hoje é só. Semana que vem voltamos com mais retrospectiva e falando daquela que é uma das versões preferidas do público: a novela Essas Mulheres, estrelada por Christine Fernandes e Gabriel Braga Nunes. Até mais!

Fontes: Cinemateca Brasileira; Banco de Conteúdos Culturais da BBC, Wikipedia (1) e Wikipedia (2)

Luz, câmera, som: AÇÃO

Oi gente! Larissa aqui!

E vim dar uma ótima notícia: as gravações começaram!

*fogos de artifício*

No último domingo, demos o pontapé inicial pra tirar a Dona Moça do papel e torna-la uma menina de verdade. E é por isso que estou aqui hoje. Pra falar sobre esse domingo feliz. Se você acha que a vida de uma produtora, por menor que seja, é só glamour e tapetes vermelhos, bem, pense de novo. Nosso dia começou bem cedo em pleno domingo – para muitas de nós, antes das seis da manhã. Atravessamos São Paulo pra chegar à locação, e antes das oito horas já estávamos a todo vapor, montando equipamento, arrumando a sala onde gravaríamos os episódios, deixando nossas atrizes ainda mais bonitas… DSCN0785 Pra quem não sabe como funciona um set de filmagem, vou tentar pintar essa imagem pra vocês: imaginem o caos. Imaginem sete pessoas dentro de uma sala pequena e já atulhada com refletores, câmeras e equipamento de som, sem contar todas as coisas que vão aparecer na câmera. Imagine que do lado de fora dessa sala, num banheiro, três pessoas se apertam pra produzir o visual do elenco. Imagine que um pequeno escritório virou o lar de dez pessoas, e que tem sempre alguém (oi, Anna!) lembrando todo mundo de que faltam quinze, dez, CINCO MINUTOS PRA COMEÇAR A GRAVAR. Essa histeria é o set de Dona Moça. DSCN0782 Não me entendam mal, é super divertido. Quero dizer, você está lá, cansada, com sono, mas com um tremendo gás pra fazer a vida acontecer, sabe? E é ainda melhor porque não temos uma pressão, uma super cobrança. É um projeto, um investimento nosso, e embora a gente se cobre pra entregar a melhor série possível, não tem ninguém enchendo o saco. Somos só nós. E acho que essa leveza ajudou a fazer o clima do set e do dia, que foi impossivelmente legal. Gravamos seis episódios na nossa primeira diária, um feito e tanto pra quem ficou menos de doze horas no set.

Curiosamente, o primeiro episódio a ser gravado foi justamente o primeiro – e digo “curiosamente” porque é prática comum no universo audiovisual que as cenas/episódios sejam gravados fora de ordem. Episódios 1, 3, 4, 5 e 9 já estão garantidos. Nossas lindas Madê, Fifi e Aurélia arrasaram e tornaram a gravação não apenas divertida, como também uma super experiência pra gente, que até então só estava sonhando com como essas personagens viriam a ser. DSCN0787 E semana que vem tem mais. No próximo domingo, temos a segunda leva de gravações, pra deixar a primeira fase da série prontinha pra começar a ser entregue no próximo dia 27 de Maio.  Da nossa parte, mal podemos esperar!

Beijos das Senhoras da Adorbs 😉