Playlist Dona Moça #04 – Fernando, o Baladeiro

Oi, pessoal

Há quanto tempo, não? Estávamos morrendo de saudades de vocês!

Dessa vez infelizmente não temos um episódio novo de Dona Moça, mas não fiquem jururús, pois trazemos no lugar dele um mega post. Com vocês, a playlist (baladeira) do Fernando!

fernando_playlist_capa

Link pra playlist: http://8tracks.com/adorbsproducoes/fernando-baladeiro

01) Bonde dos SolteirosFred e Gustavo part. Henrique e Juliano

02) Saideira – Skank

03) Balada Boa – Gusttavo Lima

04) Mineirinho – Só Pra Contrariar

05) 20 e Poucos Anos – Raimundos

06) Clube dos Canalhas – Matanza

07) Mandrake e os Cubanos – Skank

08) Sogrão Caprichou – Luan Santana

09) 15 Mil Por Mês – Erick Montteiro

10) Paparico – Molejo

11) Mulher de Fases – Raimundos

Playlist Dona Moça #03 – Maria Adelaide, Adorável Iludida

Olá, pessoal! Hoje é sexta! Uhuuu \o/

E como sempre, inauguramos uma nova playlist a cada novo personagem visto no episódio da semana “Dona Moça”. Hoje é a vez da fofíssima Maria Adelaide Amaral, interpretada por Renata Maia. Madê é uma moça culta e refinada, que curte tanto o que há de bom e melhor da cena indie brasileira quanto os velhos standards da era das jazz bands.

Sem mais delongas, eis a playlist:

http://8tracks.com/adorbsproducoes/maria-adelaide-adoravel-iludida

LISTA DAS MÚSICAS

01) Consumado – Arnaldo Antunes

02) Lost in Paradise – Gal Costa

03) Whatever You Like – Anya Marina

04) Essa Canção Francesa – Thiago Pethit e Tiê

05) Aconteceu – Ludov

06) A Mulher Solteira e o Homem Pavão – Blubell

07) Depois – Marisa Monte

08) Why Should I Care? – Diana Krall

09) I Could’ve Been Your Girl – She & Him

10) Lady Lady – Os Mutantes

11) It’s Too Late – Carole King

12) No Light, No Light – Florence & The Machine

13) Silence – Lucia

14) Um Dia Após o Outro – Thiago Iorc feat.Daniel Lopes

15) I’m Beginning to See The Light – Sutton Foster

16) Begin Again – Taylor Swift

O Lançamento – expectativas x realidade

Quando se cria uma coisa que eventualmente vai atingir o público – seja ele grande ou pequeno – naturalmente se cria uma expectativa. Enquanto nós gastávamos horas e horas planejando, escrevendo, arrumando e, mais tarde, gravando, cada uma tinha uma imagem do que achava que seria quando Dona Moça fosse lançada. Mas o que será, daquilo que imaginamos, que se tornou realidade?

EXPECTATIVAS

Larissa: na minha cabeça, quando a gente começou esse projeto, achava que nunca, absolutamente nunca, iríamos pra frente. Éramos muito inexperientes, não levávamos a sério demais. Isso começou a cair por terra, e desde então criei uma segunda expectativa que era: não espere demais. Não temos um público acostumado com o formato, não somos ninguém, há uma grande chance de isso ir pro buraco. Mas tente, porque não te custa nada. Tente porque é melhor do que nunca saber. Só, sabe, não vá com muita sede ao pote.

Maria Raquel: Primeiro que a gente levou um ano só pra pensar nos melhores modos de adaptar a coisa toda. E aí a gente parou, simplesmente. E eu achei que a gente não ia fazer isso mais (tenho sérios problemas em começar projetos e não terminá-los). Foi preciso outras pessoas se juntarem à equipe (Jacque e Anna Lívia) e falarem “vamos fazer isso” pra coisa toda sair do papel. E então quando finalmente estava tomando forma achei que a gente ia ter bem poucas visualizações, que só nossos amigos e família iam ver, pra “dar uma força”.

Maynnara: Bom, pra falar verdade, de todo mundo eu meio que entrei nos 45 do segundo tempo e só aconteceu porque eu meio que invadi uma reunião das meninas e acabei sendo convidada pra fazer o figurino (hahahaha). Depois disso eu acabei fazendo todo o projeto gráfico da Adorbs/Dona Moça e entrando mais e mais de cabeça nesse projeto e ficando cada vez mais ansiosa. Eu estava animada e esperançosa com o projeto, mas assim como as meninas falaram imaginava que ficaríamos entre família e amigos e talvez alguns amigos de amigos.

Jacqueline: Bem, eu comecei acompanhando a brincadeira das meninas nos fóruns, brincando sobre adaptar séries, mas também achava que não era nada demais. Assim como a Larissa, achava que éramos inexperientes demais, pobres demais para bancar um projeto desses e que tinha que me concentrar mesmo no meu emprego “de verdade”. Mas acho que só me dei conta de que a brincadeira era muito séria no dia em que a Raquel e eu nos sentamos numa mesa do Starbucks, pegamos o livro e escalonamos (desenhamos) uma história pra série inteira numa única tarde (sim, temos a história prontinha nas nossas cabeças!).

REALIDADE

Larissa: quando um monte de gente começou a se interessar pelo projeto, meses antes de a gente sequer ter previsão de lançamento, já fiquei animada. Mas acho que não foi até eu ir dormir, quase meia noite numa quarta-feira, com os números subindo loucamente, que me toquei do que estava acontecendo. É bizarro pensar que mil pessoas – M I L – já tiveram contato com o que a gente fez. Não consigo imaginar alguém totalmente desconhecido chegando até a gente, quanto mais pessoas de outros países, como tem acontecido. Não tem como descrever. É surreal.

Maria Raquel: Sabe aquelas montagens de Expectativa X Realidade onde a realidade é uma droga? Então, com Dona Moça foi totalmente o contrário! A expectativa era termos, sei lá, 300 visualizações no total? Era realmente apenas nossos amigos e família acompanhando. E nós tivemos 1000 em apenas UM DIA, e pessoas que não tem a mínima relação com a gente vendo e até pessoas no exterior. Tem um frase que não paro de repetir desde um pouco antes do lançamento e que resume todo meu estado de espírito: “que loucura!”. Que loucura!

Maynnara: Meu primeiro momento de surto com o Dona Moça foi quando criamos a página da Adorbs e começamos a ter um monte de curtidas, mas até aí ainda tava meio com um pé atrás. Eu sou a pessoa mais ansiosa do mundo e nas vésperas de gravações eu mal conseguia dormir, no dia antes da estréia então? Estava super confiante, mas ao mesmo tempo criando um monte de ideias malucas na cabeça achando que não íamos atender as expectativas dessas pessoas. Quando o episódio foi ao ar eu não conseguia nem comer, só ficava surtando com cada mensagem/curtida que me mandavam. Tava tão extasiada que precisava fazer um exame na tarde do lançamento e só percebi que tinha esquecido a guia pra fazê-lo quando já tava na clínica! Quando eu fui dormir ontem nós já estávamos em MIL visualizações e eu era a única acordada mandando mensagens desesperadas pras meninas. Tudo que eu consigo pensar agora é que essa é a coisa mais surreal que já me aconteceu hahahaha

Jacqueline: Eu esperava me divertir como nunca e isso continua acontecendo, e nem em meus sonhos mais loucos teríamos mais de mil visualizações em um único dia, nem a repercussão tão grande que estamos tendo. As respostas que me emocionam mais, na verdade, são as dos professores de literatura e das meninas que falam que começaram a ler José de Alencar por causa da série. É uma sensação incrível de dever cumprido. Já como produtora transmídia, o que me surpreendeu foi o fato de estar tão imersa na história que mal consigo dar conta da minha própria vida. Eu acordo, trabalho, como e durmo pensando no que os personagens tuitariam no momento, bolando easter eggs para as notinhas do J. Alencar, que música Fifi ouviria no momento em que acontecesse alguma coisa importante na história. Me sinto o Fernando Pessoa: estou vivendo outras vidas e adorando todas elas.

Playlist Dona Moça #02 – Fifi, a Diva Que Você Quer Copiar

Oi gente, Jacque falando de novo.

Finalmente, saiu a playlist que todos esperavam: o mix divertido superego baladeiro descontrol da incrível Fifi \o/

\o/

Eis o link da playlist: http://8tracks.com/adorbsproducoes/fifi-a-diva-que-voce-quer-copiar

LISTA DE MÚSICAS:

01) It’s Not Right But Sissy That Walk – RuPaul vs Whitney Houston (Positronic! Mashup)

02) A Dona da Banca – Daniela Mercury

03) Eu Sou a Diva Que Você Quer Copiar – Valesca Popozuda

04) Your Make Up is Terrible – Aslaska Thunderfuck 5000

05) Hollaback Girl – Gwen Stefani

06) Who Do You Think You Are? – Spice Girls

07) Party – Adore Delano

08) A Noite Vai Chegar – Lady Zu

09) Don’t Stop The Music – Rihanna

10) Telephone – Lady Gaga

11) Last Friday Night (T.G.I.F.) – Katy Perry

12) Me Against The Music – Britney Spears

13) Bem-Me-Quer – Rita Lee

14) Cover Girl – RuPaul

15) All About That Bass – Meghan Trainor

16) Shake It Off – Taylor Swift

17) Extravasa – Claudia Leitte

18) Respect – Aretha Franklin

19) Efêmera Tulipa Ruiz

20) Express Yourself – Madonna

21) Glamazon – RuPaul

22) Dançando to Forget You Ivete vs Shakira feat. Rihanna (Positronic! Mashup)

24) Freak Le Boom Boom / Conga Conga – Gretchen

Nossas Senhoras – Parte 5: Senhora, Diva e Lucíola

Oi pessoal!

Jacque falando mais uma vez! Hoje nós vamos terminar a nossa retrospectiva das adaptações de Senhora. Pois é, passou rápido, não?

Recapitulando: anteriormente nós falamos um pouco sobre as adaptações para teleteatros nos primórdios da televisão brasileira, sobre as três primeiras adaptações na TV Paulista e na TV Tupi, sobre a famosa versão de 1975 produzida pela Globo e, finalmente, sobre as duas versões cinematográficas.

Agora encerramos nossa série falando da adaptação mais recente – e talvez a que esteja mais presente no inconsciente coletivo dos fãs de José de Alencar – a novela Essas Mulheres, exibida pela Rede Record há exatos dez anos, em 2005.

Poster promocional da novela. Da esquerda para a direita, as protagonistas: Christine Fernandes, Miriam Freeland e Carla Regina.

Poster promocional da novela. Da esquerda para a direita, as protagonistas: Christine Fernandes, Miriam Freeland e Carla Regina.

Escrita por Marcílio Moraes e Rosane Lima (com colaboração de Bosco Brasil e Cristianne Fridmann), a novela mesclava e adaptava os três romances mais célebres da fase urbana de Alencar, os livros da chamada série “Perfis de Mulher”: os romances Lucíola, Diva e Senhora publicados, respectivamente, em 1862, 1865 e 1875. As protagonistas da novela eram as mesmas dos livros: Lúcia, Emília e Aurélia.

Na novela, após pequenas alterações no roteiro, as três personagens começam como amigas, por estudarem com a mesma professora de canto. Mila (Miriam Freeland) é uma jovem rebelde que desafia os padrões da época e vive em conflito com a mãe dominadora. Pintora, é extremamente sensível e sofre uma série de transtornos mentais que a levam a ser tratada pelo médico negro Augusto (Alexandre Moreno), que acaba se apaixonando por ela. Milia é rica e pertence a uma família privilegiada da Corte, ao contrário de suas amigas.

Maria da Glória (Carla Regina) é uma jovem pobre que, sem dinheiro para pagar o tratamento do pai doente (Carlo Briani), acaba se prostituindo. Ele melhora, mas renega a filha, que sai de casa e acaba se tornando Lúcia, a cortesã mais admirada do Rio de Janeiro.

Por fim, temos a Aurélia (Christine Fernandes), que passa por todas as situações que conhecemos e já abordamos nos posts anteriores. Poucas mudanças foram feitas em sua história, sendo a mais importante o fato de seu irmão (Leonardo Miggiorin) sobreviver ao invés de morrer. A família de Fernando (Gabriel Braga Nunes), também sofreu algumas alterações e se tornou parte do alívio cômico. As modificações que realmente fizeram diferença foram a transformação de Adelaide Amaral (Adriana Garamboni) em vilã. Nós aqui da Adorbs entendemos porque isso foi feito, mas não concordamos muito porque somos #TeamAdelaide e gostamos muito da personagem. Outro vilão de destaque foi o Lemos vivido por Paulo Gorgulho numa interpretação incrível.

Mas chega de conversas. Vamos direto ao que interessa naquela que talvez seja a melhor cena de toda a novela, fidelíssima ao texto original do início ao fim:

“Eu sou rycahhhhh!”

A novela foi reprisada uma vez pela Rede Família (emissora pertencente à Igreja Universal do Reino de Deus) e pela Fox Life. É possível assisti-la quase que por completo nesta playlist (infelizmente parte do primeiro capítulo parece ter se perdido).

Fonte: Teledramaturgia

Playlist Dona Moça #01 – Aurélia, o Enigma

Oi pessoal, Jacque falando de novo \o_

Hoje eu vim aqui para divulgar a mais nova ferramenta de divulgação da Adorbs: nosso 8tracks! #TodasComemoram

Nesse canal postaremos playlists com músicas que acreditamos explicar e se aprofundar um pouco mais nos personagens. Por exemplo, a playlist da Aurélia trás não apenas músicas cujas letras refletem um pouco de sua personalidade, mas também de artistas que com certeza devem estar no pendrive que ela pluga no rádio todos os dias no caminho para o trabalho.

Então vamos ao que interessa. Eis a playlist:

http://8tracks.com/adorbsproducoes/aurelia-camargo-o-enigma

LISTA DAS MÚSICAS

1) Back To Black – Amy Winehouse

2) Vigília – Kléber Albuquerque

3) Banheira – Nathalia Mello

4) Pennies From Heaven – Billie Holiday

5) Blues da Piedade – Cazuza

6) Terezinha – Chico Buarque

7) Coming Back As a Man – Caro Emmerald

8) O Mundo é um Moinho – Cartola

9) Rumour Has It – Adele

10) Fera Ferida – Maria Bethânia

11) No, Non Tremere, O Perfido! – Maria Callas e Elenco (ópera “Norma”)

12) Nous Vivrons a Paris – A. Netrebko e R. Villazon (ópera “Manon”)